Blog da Casa das Matryoshkas

Baile das Feiticeiras

 

 

 418321_181675828632324_600499885_n        No baile das feiticeiras, festejo a volta da roda do tear. No meio  da dança e do flutuar das saias, tenho visões de um novo amanhã. A energia feminina me invade corpo e alma. O baile já começou e as feiticeiras rodopiam formando um grande círculo infinito de amor. Vislumbro um tempo diferente quando a roda do tear começa a girar. Como Guinevere no Reino de Avalon, me chegam visões fragmentadas dos próximos atos.

         As feiticeiras enfeitaram seus cabelos longos com guirlandas de flores, cristais, guizos e esperança. As fadas foram invocadas a participar do grande ritual em que  se festeja a vida. Tem cheiro de rosa e canela no ar. No fogo que arde no caldeirão, formam-se figuras de corujas e outros animais de poder.

         Dançam as feiticeiras e a energia da Grande Deusa contamina o sangue de cada deusa mulher.

         Há um céu de estrelas em cima de nossas cabeças e os pés descalços dançam sobre pétalas de flor.

         Na roda do tear começo a tecer o sonho. Visionária, sonhadora, sábia anciã, misteriosa bruxa. As imagens me chegam como um filme de TV.

         Um torpor me invade a alma e o corpo amolece. O momento é mágico. É o baile das feiticeiras, a cumplicidade resgatada para tecer na roda das mulheres a grande trama da vida, com os fios da  magia e do sonho, do encanto, do amor e da fé…

                                               Heloísa Monteiro

Solstício de Inverno

 

 

Solstício, do latim solstitiu (sol parado) corresponde ao extremo máximo do deslocamento do sol. (O sol inverte o seu sentido de deslocamento e  ele precisar parar seu movimento para retornar). É o fenômeno em que o eixo da Terra muda de inclinação, o que deixa este ou aquele hemisfério mais exposto aos raios solares, o contrário do equinócio que deixa o eixo num ângulo reto em relação ao sol. Há o Solstício de Inverno e o Solstício de Verão.

O Solstício de Inverno acontece quando um dos pólos da Terra alcança o ponto mais afastado do sol. É a noite mais longa do ano e que antecede a vitória da luz sobre as trevas e simboliza o renascimento do sol. Embora sua data não seja a mesma em todos os anos, pode-se dizer que no hemisfério sul ocorre em torno do dia 21 de junho e no hemisfério norte em torno de 22 de dezembro.

 Alimentos do inverno:

 Raízes e sementes

Abóbora, abobrinha, batata doce, berinjela, brócolis, cará, cenoura, couve flor, ervilha, inhame, mandioquinha, nabo, acelga, alface, chicória (escarola), couve, espinafre, mostarda, repolho, banana, laranja, limão, mamão, melão, morango, pêra, pinhão e tangerina.

Órgãos fragilizados no inverno:

 Rins /ossos e dentes

 Direção cardinal do inverno: SUL

 Caminho espiritual do inverno:  Limpeza, renovação e pureza.

 Elemento do Inverno: O ar (o vento, que é o ar em movimento)

 Guias do inverno: Sábios e anciões. Reverenciam-se os ancestrais.

 Temas do inverno: Silêncio. Interior. Família. Honra. Purificação. Serviço. Aprende-se a respeitar o sagro ponto de vista dos outros.

 Hora do dia do inverno: Meia-noite

 Totem animal do inverno: Búfalo Branco. Fumaça branca. Cachimbo Sagrado, instrumentos de preces e ação de graças de Wakan Tanka.

 Reino do inverno: Animal e tudo o que é animado (4 pernas, 2 pernas, criaturas aladas, insetos, peixes)

 O inverno rege: As estrelas, que também representam os sábios de outros planetas, de outros sóis e os oráculos.

 Roda medicinal do inverno: Portal da direção sul.

 Evocação do inverno: “Ó Espíritos da direção sul, local da sabedoria e agradecimento, portal do conhecimento e do elemento ar, ensine-me”

 Paganismo: Na tradição pagã, no Solstício de Inverno ocorre a festa de Yule (da palavra escandinava iul que significa roda). Yule é a celebração da vitória do Rei do Carvalho (Rei Sol) sobre o Rei do Azevinho (Senhor das Sombras), porque, a partir desta data os dias começam a ficar cada vez  mais longos novamente, a te o verão. Representa o retorno da luz, quando a Deusa dá nascimento ao Deus Sol e as esperanças renascem, pois ele trará calor e fertilidade à Terra.

 “Feliz Solstício de Inverno para quem comemora pela roda do Sul e Feliz Solstício de Verão para quem gira a roda do Norte. Não me aflijo, embora o mundo esteja envolto em sono. Não me  aflijo, embora os ventos gélidos soprem. Não me aflijo, embora a neve caia dura e profunda.Não me aflijo, logo isto também será passado”

O Poder do Círculo de Mulheres

É inegável a força de um grupo de mulheres, dispostas em um círculo, que se reúnem buscando resgatar antigos ensinamentos que se perderam na poeira dos tempos. Uma mulher funciona como espelho da outra e percebe que o desafio de uma é também seu desafio. Juntas acessam uma poderosa energia capaz de mover o mundo. Desde 2008  a Casa das Matryoshkas, localizada em Belo Horizonte, vem acolhendo esta forma de trabalho, contribuindo para que cada vez mais mulheres se conscientizem da força do sagrado feminino que é preciso, nestes finais de tempos e início de nova era, resgatar. Ao mesmo tempo em que o trabalho é profundo, oportunizando um mergulho no inconsciente das participantes, percebe-se que ele é de muita leveza e delicadeza. Novo grupo terá início em breve e quem quiser mais informações pode dar uma olhada no nosso site, www.casadasmatryoshkas.org.br, ou em nossa página no Facebook.